quarta-feira, dezembro 13, 2006

Resmungos de quarta feira

Tenho vontade do Verão que está lá fora. Frente ao computador, chega-me um cheiro a maresia, daquela que (perdoem-me os que não podem entender-me e me olham de lado face a esta observação) não existe em Moçambique. Tenho vontade da maresia lá de fora, da que não existe, de esplanadas ao pôr do sol, mergulhos em mar quente, sol que obriga a factor 60 e a sestas ao fresco, vinho branco gelado ao jantar, sushi e cestos de camarão panado. Não quero voltar ao INE, procurar estatísticas, pedir favores a uma funcionária que não gosta de mim, nem de qualquer pessoa que lhe peça os documentos que ela vagarosamente guarda, procura e, só às vezes, acha. Odeio a fotocopiadora que, avariada, me obriga a pegar em todos os cadernos estatísticos e, a troco do passaporte (o meu mais precioso bem), seguir rua acima em busca de uma máquina funcional. Não quero passar duas horas na fila do banco, onde um ar condicionado no máximo faz gelar o Verão, não aguento o frio!, entre resmungos meus e dos outros clientes, ouvir que a assinatura do cheque «não confere», ver chamar o gestor de conta e esperar mais meia hora. Como ontem, talvez o banco fique para amanhã. Frente ao computador, é urgente concentrar-me, não pensar nas coisas boas que podia estar a fazer ou nas chatas que tenho para fazer, mas no que é realmente importante ficar feito [suspiros].

1 comentário:

Silvinha disse...

E eu tenho vontade do Natal, de correr a baixa de Coimbra em busca das últimas prendas, com muito frio e umas castanhas a acompanhar. O frio chegou a Lisboa, portanto, frio por frio, que seja o de Coimbra!